25 maio, 2016

IR SEM SABER SE VOU VOLTAR


Em tempos achei que a viajar é que me sentia bem, e então fui...
Fui por esse mundo fora, quase como se não tivesse destino,
fui ver, conhecer, viver e mais importante longe de ti fui tentar sobreviver.
E o que é que eu aprendi?
Aprendi que a cada vez que chego, quero ir mas quando lá estou já quero vir...
Mas vou... Vou como tentativa de me libertar e de me conhecer, vou testar limites,
vou com vontade de fugir da responsabilidade.
E assim, quando chego vou conhecer e dar-me a conhecer,
e para me dar a conhecer, invento-me e reinvento-me
 Mas a distância apenas serve para despertar a saudade,
saudade que serve para desejar a hora do regresso,
Um regresso reinventado e responsável, quase como quem nunca chegou a partir.